InfoFeiras
Série Escolas de Samba da zona norte: Mocidade Alegre

Série Escolas de Samba da zona norte: Mocidade Alegre

Uma das escolas mais tradicionais da zona norte da capital paulista, a Mocidade Alegre, foi fundada em 24 de setembro de 1967, mas sua história começa bem antes disso.

Em 1948, um grupo de amigos formado por Juarez Cruz, seus irmãos Oswaldo e Carlos Cruz e mais dois homens, resolveram sair para pular carnaval vestidos com trajes femininos, e esse festejo durou os 5 dias de Carnaval.

Os anos foram passando e o grupo foi aumentando. No Carnaval de 1963, um dos componentes recusou-se a sair vestido de mulher e eles saíram pelas ruas trajados de palhaços, percorreram a Avenida São João, onde a Rádio América promovia o Carnaval de rua com exclusividade.

Ao passarem em frente ao palanque armado próximo ao Cine Paissandu, Evaristo de Carvalho, o locutor da rádio, disse em voz alta: “É um bloco muito alegre, um bloco de sujos, como existem muitos no Rio de Janeiro…”. O que originou o nome Mocidade Alegre.

Em meados de 1967, a Federação das Escolas de Samba de São Paulo, convocou todas as escolas, blocos e cordões carnavalescos para organizarem o carnaval de 1968. Com base no estatuto dos Acadêmicos do Peruche, no dia 24 de setembro de 1967, a
Mocidade tornou-se Grêmio Recreativo Mocidade Alegre, tendo como primeiro presidente o Sr. Juarez da Cruz.

Sua tradicional sede, chamada de “Morada do Samba”, foi fundada em 1970 no bairro da Casa Verde.

Participação em desfiles

O primeiro tema escolhido pela escola foi “Índios do Brasil”, havia um carro alegórico representando as selvas brasileiras com uma grande cascata de água. Neste ano de estreia, a Mocidade ficou com o 5º lugar, sendo a penúltima escola do ranking.

Os lugares mais baixos da tabela não duraram muito tempo, assim que a Mocidade Alegre conseguiu subir para o grupo especial realizou um grande feito: ser tricampeã do carnaval paulistano.

Após o sucesso do tricampeonato ocorreu um grande impacto na estrutura do carnaval de São Paulo, que passou a centralizar sua visibilidade no desfile das escolas de samba. Com isso, os três últimos cordões remanescentes, Camisa Verde e Branco, Fio de Ouro e Vai-Vai, resolveram, também, transformar-se em escolas de samba.

A Mocidade Alegre é a escola que está a mais tempo desfilando, ininterruptamente, no Grupo Especial (desde 1971) e já soma dez campeonatos. Em 2020, ficou com o terceiro lugar.

Projetos sociais e culturais

A Mocidade Alegre foi a primeira escola de samba a ser convidada pelo Ministério da Cultura para representar o samba paulistano na Europa, viajando para a Ilha da Madeira.

A principal caraterística da escola é a preocupação com a cultura, tanto para a difusão do samba, como a absorção de repertórios culturais externos para enriquecimento social e cultural da comunidade.

Além disso, a escola zela pela responsabilidade social, administrativa, jurídica, cultural, entre outras, com integração entre os componentes militantes e profissionais da casa.

Gostou? Quer ler mais histórias como essa? Visite nosso blog: LINK

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *